• escoladefotografia

O confuso "Círculo de Confusão"e a sua relação com a Profundidade de Campo


Algum dia você já parou para se perguntar porque a profundidade existe? Se já, e você foi pesquisar mais sobre o assunto, deve ter se deparado com mais dúvidas do que encontrado respostas objetivas. Sinteticamente, posso dizer que a profundidade de campo existe porque uma lente (ou um conjunto delas, objetiva) não é capaz de focar, ou, focalizar diversos planos ao mesmo tempo, ou seja, se você focaliza no primeiro plano, esse produzirá no anteparo nitidez absoluta, porém os planos posteriores se apresentarão no que se chama de nitidez relativa. E inverso a isso, se você focaliza no plano posterior, esse estará em nitidez absoluta e, o primeiro plano é quem se encontrará na nitidez relativa. Essa nitidez relativa é a profundidade de campo, que é imediatamente afetada por três distintos fatores:

1- Abertura de diafragma 2- Distância focal da objetiva 3- Distância de foco entre objetiva e assunto

Esses três fatores são totalmente controláveis pelo fotógrafo, porém, existe um quarto fator, que pelo fato de não poder ser controlado pelo fotógrafo, muitas vezes sequer é mencionado, entretanto, o mesmo é tão importante que até faz parte da equação matemática da profundidade de campo, é o círculo de confusão. O círculo de confusão, também chamado de coc tem seu valor determinado. Definiu-se que a distância considerada para análise do círculo de confusão em um material impresso é de 25cm, distância essa conhecida como distância de leitura e, que esse não pode ultrapassar o tamanho de 1 milésimo dessa distância, ou seja, o tamanho aceito para o círculo de confusão é de 25/1000= 0,025cm ou 0,25mm. Com isso, se o coc ultrapassar 0,25mm a essa distância de leitura, nossos olhos irão interpretar não mais como um ponto nítido, mas sim, como um borrão (um ponto fora de foco). Cabe ressaltar que a profundidade de campo não é algo absoluto, pois a acuidade visual do observador também influencia em sua interpretação. Nas películas fotográficas e nos sensores eletrônicos das câmeras digitais, também temos os valores definidos do círculo de confusão em função dos tamanhos físicos desses anteparos. Vejamos alguns tamanhos de círculos de confusão admitidos para determinados tamanhos de películas e sensores.

Sensor Crop Canon – 0,019mm Sensor Crop Nikon – 0,02mm Sensor Full Size – 0,03mm Película 35mm – 0,02mm – 0,03mm Película 6 x 6cm – 0,03mm – 0,05mm Película 6 x 9cm – 0,075mm

Baseado nesses valores, se o círculo de confusão formado no anteparo (película ou sensor) não ultrapassá-los, quando a imagem for impressa, teremos a percepção de um ponto nítido, ou, em outras palavras, uma grande profundidade de campo. Ao contrário disso, se o círculo de confusão formado no anteparo ultrapassar esses valores definidos, quando a imagem for impressa, teremos a percepção de um ponto desfocado (um borrão), ou, em outras palavras, uma pequena profundidade de campo. Observe que quanto maior o anteparo, maior também é o círculo de confusão admitido, ou convencionado. Isso se dá dessa forma pelo fato de que imagens formadas em anteparos maiores, deverão ser ampliadas menos vezes do que imagens formadas em anteparos menores (para serem observadas a uma mesma distância). Com isso, se pegarmos diversas imagens, formadas em diversos tamanhos de anteparos, onde todas tenham sido tomadas com objetivas de mesma distância focal, sobre mesma abertura de diafragma e de mesma distância, a profundidade de campo será a mesma em todas elas. Os valores não são absolutos, pois há anteparos no formato retangular e no formato quadrado, o que não lhes confere proporcionalidade, mas de qualquer maneira os valores estão dentro de uma faixa de tolerância. Observe na figura que temos três assuntos em diferentes planos. Façamos o foco no plano mediano, ou seja, no assunto que se encontra no meio. Assuntos que se encontram em planos anteriores a esse plano mediano, ou seja, mais próximos a objetiva, irão projetar seus raios de luz em foco (virtualmente) atrás do anteparo e, assuntos que se encontram em planos posteriores a esse plano mediano, ou seja, mais distantes da objetiva, irão projetar seus raios de luz em foco à frente do anteparo. Como os planos que não estão em foco (no caso o plano anterior ao plano mediano e o plano posterior ao plano mediano) não podem projetar seus raios em foco exatamente no anteparo, pois o foco foi estabelecido no plano mediano, o que é projetado no anteparo quando o objeto está próximo a objetiva é uma parte de seu cone de luz e, quando o objeto está distante da objetiva, o que é projetado no anteparo é um prolongamento do seu cone de luz. Essa projeção de cones de luz é o tão confuso círculo de confusão, que vai variar seu tamanho em função dos três fatores mencionados e, com isso alterar a profundidade de campo. Caso o mesmo altere seu tamanho para maior que o convencionado para aquele tamanho de anteparo, a profundidade de campo é reduzida e, caso o mesmo altere seu tamanho para o convencionado, ou menor que esse, a profundidade de campo é aumentada. Num próximo post irei ilustrar a profundidade de campo em função dos três distintos fatores: abertura de diafragma, distância focal e distância de foco. Por hora, basta sabermos que a profundidade de campo á alterada, como vimos, por esses três fatores e atende sempre a três princípios:

1- Se o número f dobra, a profundidade de campo dobra 2- Se a distância focal é dobrada, a profundidade de campo diminui 4 vezes, pois a profundidade de campo é inversamente proporcional ao quadrado da distância focal 3- Se a distância de foco dobra, a profundidade de campo aumenta 4 vezes, pois a profundidade de campo é proporcional ao quadrado da distância

Um abração a todos e, bons estudos.

DIAFRAGMA 8, a sua Escola de Fotografia! Agora também online!

by Alex Gimenes

— em Diafragma 8 - Escola de Fotografia


#profundidadedecampo #DOF #COC #circulodeconfusao #fotografia #aberturadediafragma #diafragma #desfoque

0 visualização

Copyright © Diafragma 8 | O Retratista

Designed by Renan Nakano. All rights reserved.